Válvulas borboleta

Válvula borboleta com acionamento 
mecanizado em corpo e corte esquemático

São válvulas que destinam-se a regular a vazão da água, mesmo variando a carga disponível que provoca o escoamento. São próprias para instalações em estações de tratamento de água a temperatura ambiente e para as mais variadas aplicações industriais, têm peso reduzido e ocupam pouco espaço..

Tradicionalmente em ferro fundido, são providas de um disco giratório biconvexo, a lentilha, no interior de uma cavidade esférica, capaz da rotação máxima de 90° e de dois flanges através dos quais adaptam-se à canalização, e que, conforme a inclinação, possibilita um fechamento estanque ou uma ampla passagem da água, ou ainda uma graduação intermediária no valor da descarga. São portanto válvulas de bloqueio e regulagem. 

Podem ser de comando manual, quando dotadas de volante, ou de acionamento hidráulico, elétrico ou pneumático. São fabricadas comercialmente em ferro dúctil, em diâmetros de 75 até 2.000 mm, para pressões de serviço de 10 a 16 kgf.cm-2, mas especialmente têm sido fabricadas em diâmetros superiores a 6 metros.

São utilizadas, por exemplo, para regular a vazão de lavagem da areia dos filtros rápidos. Em instalações de bombeamento são usadas na linha de aspiração, para bombas afogada. Existem válvulas borboleta em centrais hidrelétricas com tubulações forçadas, como órgãos de fecho, de emergência e segurança, no início da penstock e, até mesmo como órgãos de fecho das turbinas, próximas da entrada das mesmas nas instalações com quedas médias.