DISPOSIÇÃO DE EXCRETAS NO MEIO RURAL

Disposição de Excretas por Via Seca (1/2)

5. TIPOS DE SOLUÇÕES DE BAIXO CUSTO

5.1 Tipos de Soluções

Nos países em desenvolvimento nem sempre é possível a utilização de sistema de esgotos convencionais, particularmente em áreas rurais, por uma série de fatores como a distância entre as edificações, falta de água encanada e custo. Aliás, é importante mencionar que mesmo em paises desenvolvidos, os sistemas de disposição de excretas, nessas áreas, têm um caráter mais individual beneficiando uma ou somente um pequeno número de propriedades.

A solução individual para o destino das excretas pode ser por via seca quando não é feito uso de água e por via hídrica quando, para afastar as excretas, faz-se uso de uma descarga de água de modo automático ou não.

5.2. Soluções por via seca

Todos os tipos de privada incluídas neste tipo de solução são variantes da privada com fossa seca que tem encontrado vasta aplicação em países em desenvolvimento, inclusive no Brasil, em programas de saneamento básico.

5.2.1. Fossa seca

A fossa seca consiste basicamente numa escavação no solo com forma cilíndrica (diâmetro 0,80 m) ou de seção quadrada (lado 0,80 m) na qual as fezes e o material de asseio (papel, etc) são depositados.

Na boca da fossa deve ser construída uma base suporte para a sustentação do piso da privada no qual existe um orifício para a passagem do material fecal e outros. Sobre o piso da privada é construída uma casinha provida de porta para abrigar o usuário conforme ilustrado na Figura 3.  Os materiais envolvidos na construção da privada com fossa seca, particularmente da base e do piso, dependem da estabilidade do terreno circunvizinho, da disponibilidade e das posses do proprietário, podendo ser constituídos de concreto, madeira, etc.

O volume da fossa deve ser de pelo menos 0,06 m3 (60 litros)/pessoa por cada ano de uso da privada, mais uma folga superior na altura de  50 cm. Um volume adicional de 50% deve ser previsto em comunidades onde o povo usa materiais volumosos como sabugo de milho, sacos de cimento ou até mesmo pedras para limpeza anal.

Uma característica fundamental da fossa seca (e daí vem o seu nome) é que ela não deve receber água de descargas, de banhos, de lavagem, de enxurrada ou mesmo água do solo quando o nível da água subterrânea for muito alto. Seus principais problemas durante o seu uso são a geração de odor e a proliferação de insetos, particularmente a mosca.  Em ambos os casos a não admissão de água na fossa contribui para a diminuição, mas não para a extinção do problema.

Figura 3a Piso de uma fossa seca seção quadrada
 

Figura 3b Esquema em corte de uma fossa seca

No decorrer dos anos foi observado que a utilização de fossas secas ventiladas (Figura 4) contribuía para minimizar esses problemas.

Figura 4 - Fossa seca ventilada.