CAPÍTULO VI

SISTEMA DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA (1/2)

6.1. INTRODUÇÃO

 Denomina-se sistema de abastecimento público de água, a solução coletiva mais econômica e definitiva para o abastecimento de água de uma comunidade. Esta é a solução encontrada quando uma comunidade cresce e a densidade demográfica da área aumenta. O abastecimento de água visa, fundamentalmente a:

- Controlar e prevenir doenças;
- Implantar hábitos higiênicos na população como, por exemplo, a lavagem das mãos, o banho e a limpeza dos utensílios;
- Facilitar a limpeza pública;
- Facilitar as práticas esportivas;
- Propiciar conforto e bem estar.

Sob o ponto de vista sanitário, a solução coletiva é a mais interessante, porque é muito mais fácil proteger um manancial e supervisioná-lo, do que fazer supervisão de grande número de mananciais e de sistemas. Por exemplo: um poço coletivo comparado a vários poços individuais. Os sistemas individuais são soluções precárias para os centros urbanos, (fossa com filtro, por exemplo) embora indicados para áreas rurais onde a população é dispersa.

 6.2. PARTES CONSTITUTIVAS DO SISTEMA

a) Manancial

O manancial é a fonte de onde se tira a água. Sua escolha tem que ser levada em conta a qualidade e a quantidade de água que ele dispõe, como também o aspecto econômico do mesmo.

b) Captação

É o conjunto de equipamentos e instalações para retirar a água do manancial e lançá-la no sistema de abastecimento.

 c) Adução

Adutora é uma tubulação normalmente sem derivações, que liga a captação ao tratamento ou o tratamento à rede de distribuição. Segundo o seu funcionamento, pode ser:

- Por gravidade Þ   Quando aproveita o desnível entre o ponto inicial e final da adutora.
- Por recalque Þ   Quando é realizada utilizando um meio elevatório qualquer.

d) Tratamento

 O tratamento da água pode existir ou não, de acordo com a qualidade díágua obtida no manancial.

 e) Reservatório

A reservação é empregada para o acúmulo da água, com propósitos de:

 - Atender a variação do consumo;
 - Manter uma pressão mínima ou constante na rede;
 - Atender demandas de emergências, em casos de incêndios, ruptura de rede, etc;

 O consumo de uma comunidade está ligado a diversos fatores: climas, hábitos de higiene, qualidade da água, cobrança (água medida ou não). Para uma mesma população, o consumo varia de acordo com as horas do dia. É a chamada variação horária. Varia ainda, conforme a época do ano. É a variação diária. O reservatório de distribuição, permite atender a essas variações.

Fig. 14 - Sistema de Abastecimento díÁgua Singelo
(Poço-Elevatória-Reservatório).

f) Rede de distribuição

 A rede de distribuição leva a água do reservatório ou da adutora para os pontos de consumo.

 g) Ramal domiciliar

A ligação feita das tubulações assentadas nas ruas para os domicílios é chamada ramal domiciliar.

6.3. RESERVAÇÕES

Os reservatórios construídos para um sistema de abastecimento público de água, podem ser divididos em duas classes principais:
- Reservatório de Acumulação;
- Reservatório de Distribuição.

6.3.1. Reservatório de Acumulação

São construídos em um curso de água, (seja ele um rio, um riacho, um córrego, etc) quando se deseja aproveitá-lo como fonte de abastecimento de água. Isto só ocorre quando a vazão média desse curso de água é superior à vazão média do consumo que se deseja para uma comunidade. Mas se este curso de água, apresentar vazões mínimas, diárias ou mensais, insuficientes para atender as necessidades de consumo, nestes dias ou meses, nestas condições, o excesso de água descarregado pelo curso de água, nos tempos de vazões máximas são acumuladas em reservatórios, denominados reservatório de acumulação, a fim de atender as deficiências, em épocas durante as quais a vazão do curso de água não é suficiente para atender as necessidades de consumo.

Se no entanto a vazão mínima do curso de água for maior que a vazão máxima de consumo que a comunidade utiliza, não será necessário a construção do reservatório de acumulação (barragem, açudes, etc) sobre o curso de água.

 As barragens podem ser de:
 a) terra;
 b) alvenaria;
 c) concreto ciclópico;
 d) concreto armado;
 e) concreto rolado.

 Para que haja uma retirada relativamente uniforme de água dos reservatórios de acumulação, apesar das necessidades de consumo serem variáveis, é que se faz necessário a construção dos reservatórios de distribuição.

6.3.2. Proteção do reservatório de acumulação e da bacia

A fim de preservar-se a qualidade de água em reservatório de acumulação, é desejável cortar e remover toda madeira, juntar e queimar os gravetos, antes do mesmo começar a receber a água após a construção.

Se se tratar de um grande reservatório de acumulação, onde o mesmo for também usado como local de recreio, devem ser tomadas providências adequadas para resguardar a qualidade da água, estabelecendo-se áreas para pesca, natação, etc, a uma distância segura do local de captação.

Se existir casas isoladas na bacia, as mesmas deverão ser providas com instalações sanitárias adequadas para o destino dos dejetos, exceto no caso de bacias muito amplas e extensas.

 Já existem leis que disciplinam a utilização dos reservatórios com finalidades recreativas, as quais são definidas a partir das condições locais.

6.3.4. Reservatório de Distribuição

São reservatórios construídos para um sistema de abastecimento díágua com as seguintes finalidades:

- Uniformização de fornecimento díágua no consumo, devido ao fato que o reservatório minimiza ou mesmo faz desaparecer as diferenças de volume díágua, requeridos durante os período de maior consumo;
- Uniformização da adução para o sistema;
 - Emergência - no caso de haver uma interrupção na adução de água, aquela acumulada no reservatório abastece a cidade, até que a dificuldade seja sanada;
 - Economia na rede de distribuição de um sistema de abastecimento de água, pela construção de reservatórios mais baixos;
 - Maior auxílio no combate à incêndios.

6.3.4.1. Classificação dos reservatórios de distribuição

a) De acordo com sua localização em referência à rede de distribuição:
  1. De montante - quando está localizado entre a captação e a rede de distribuição;
  2. De jusante - quando está localizado após a rede de distribuição. Neste caso recebe água de consumo mínimo e ajuda a abastecer a cidade durante as horas de consumo máximo;
  3. De quebra de pressão - terreno com desníveis acentuados.

b) Em relação ao nível do terreno:
  1 . Enterrados;
  2 . Semi-enterrados;
  3 . Apoiados;
  4 . Elevados.

As razões que determinam a escolha de um destes tipos são normalmente, pressões, vazões e volumes a armazenar e as econômicas.

c) em relação ao material de que é construído:
  1 . Concreto armado - geralmente os elevados;
  2 . Alvenaria - geralmente construído enterrado;
  3 . Aço - pouco uso no Brasil (mais nas indústrias);
  4 . Madeira - apenas usados para os apoiados e elevados.

 6.3.4.2. Tubulações em um reservatório de distribuição

  a) De entrada;
  b) De saída;
  c) De descarga;
  d) Extravasor - geralmente descarregando no dreno.

 6.3.4.3. Cortinas

Em um reservatório enterrado ou semi-enterrado, de grande dimensões, devem ser instaladas cortinas, a fim de evitar pontos mortos onde a água não sofra movimentação.

6.3.4.4. Declividade no fundo dos reservatórios de distribuição

Os fundos dos reservatórios de distribuição devem ter declividade para o ponto de descarga, facilitando assim bastante a sua limpeza.

6.3.4.5. Desinfecção

O reservatório, antes de ser posto a funcionar, deve ser desinfetado com uma solução de 50mg/l de cloro útil, com um tempo de detenção mínima de 24 horas.

6.3.4.6. Proteção do reservatório

Nos reservatórios de distribuição não deve ser permitida a entradas de pessoas estranhas nas suas cercanias, tanto para evitar uma poluição ou contaminação no caso semi-enterrados, enterrados e apoiados, como também para se evitar acidentes no caso dos elevados.

As tampas de acesso ao interior dos reservatórios, devem ser mantidas em boas condições sanitárias e de vedação, devendo ser periodicamente limpas. As escadas de acessos devem ser mantidas em boas condições de segurança e as paredes sempre protegidas por uma boa pintura.

6.3.4.7. Órgãos Acessórios

Os órgãos acessórios de um reservatório de distribuição, são:
 a) Tubo de ventilação - destinado a circulação do ar;
 b) Indicador de nível - para acompanhar variações de consumo;
 c) Registros - a fim de regular a entrada e saída de água.