Mitologia Grega: A lenda de Sísifo
Na mitologia grega encarnou a astúcia e a rebeldia do homem frente aos desígnios divinos, tido como o criador dos Jogos Ístmicos celebrados naquela cidade e como o mais astuto dos homens. Citado na Ilíada de Homero como filho de Éolo, gerador da estirpe dos eólios, e de Enarete, com muitos irmãos e fundador do reino de Éfira, depois denominado Corinto. Em relatos posteriores a Homero, aparece como pai de Ulisses, que teria gerado com Anticléia. Sua lenda mais conhecida conta que aprisionou Tânato, a Morte, quando esta veio buscá-lo e, assim, durante o período em que esteve acorrentada, ninguém morreu à face da Terra. Só quando Ares foi mandado libertar Tânato é que o reino de Hades voltou à normalidade. A maneira semelhante a Prometeu, sua audácia, no entanto, motivou exemplar castigo final de Zeus. Como castigo por tentar dado conhecimento divino aos humanos, foi mandado para o Tártaro e condenado por Zeus a realizar eternamente trabalhos infrutíferos. Sua punição mais conhecida, conforme se narra na Odisséia, é a que foi forçado a rolar eternamente, ladeira acima, uma enorme pedra até o topo de uma montanha. Assim que a pedra chega ao topo, ela é rolada novamente até a base da montanha. Assim ele está condenado a repetir esta tarefa inútil por toda a eternidade.

Figura copiada do blog CASTELOS DE VENTO:
http://cisnenegrocisne.blogspot.com/