Johann Carl Friedrich Gauss,
também conhecido como Carl Friedrich Gauss
(1777 - 1855)
  Físico, astrônomo e matemáticos germânico nascido em Braunschweig, Ducado de Brunswick, hoje na Alemanha, um dos matemáticos mais importantes e prolíficos de todas os tempos, também conhecido por suas contribuições a álgebra, geometria diferencial, teoria das probabilidades e teoria dos números. Menino prodígio filho de camponeses pobres, teve sua educação incentivada para estudar pela mãe e por um tio, apesar da objeção paterna. Consta que aos 3 anos de idade já tinha boas noções de aritmética: ao acompanhar os cálculos feitos pelo pai para o pagamento de alguns empregados, detectou um erro nas contas. Aos dez anos, iniciou seus estudos regulares de matemática, surpreendendo os professores pela facilidade e agilidade com que realizava complicadas operações e com que aprendia línguas. Conta-se que ao receber, com castigo, a tarefa de somar todos os números de 1 a 100, respondeu rapidamente: 5.050. Provavelmente, percebera que todos os pares feitos com os números 1 + 100, 2 + 99, 3 + 98 até 50 + 51 sempre somam 101. A soma dos cinqüenta pares seria 50 x 101 = 5.050. Ingressou no Collegium Carolinum (1792), onde permaneceu por três anos e estudou as obras mais notáveis de Euler, Lagrange e Newton. Apoiado pelo duque de Brunswick que o levou, inclusive, para estudar em Göttingen (1795-1798). Da mesma época de Cauchy, opostamente sua personalidade caracterizou-se, como Newton, por ser avesso a publicações e não gostar de ensinar. Concluiu sua primeira grande descoberta, o polígono regular de dezessete lados (1796) quando começou a escrever um diário científico em que anotava suas descobertas, cujo primeiro registro era exatamente sobre o inédito polígono regular de 17 lados. Este diário de apenas 19 páginas, encontrado muito tempo depois (1898), é talvez o mais precioso documento rudimentar da história da matemática. Publicado pela Sociedade Científica de Göttingen, no seu sesquicentenário (1901), 46 anos após a sua morte, mostrou que ele foi um dos últimos gênios a dominar toda a matemática de seu tempo e que precedeu outros pesquisadores em vários campos. Obteve doutorado na Universidade de Helmstädt com uma tese sobre raízes de polinômios, com o trabalho Disquisitiones arithmeticae (1798), onde demonstrou pela primeira vez o teorema fundamental da álgebra moderna: toda equação polinomial tem uma solução complexa. Descreveu os números complexos (1799) e, no ano seguinte, publicou seu livro mais conhecido: Disquisitiones aritmeticae (1800), dedicado a seu patrono, o duque de Brunswick. Este resultado, junto com muitos outros na teoria dos números foi publicado no seu livro Disquisitiones Arithmeticae (1801), um dos livros matemáticos mais importantes e famosos já escritos. Nomeado professor de astronomia e diretor do observatório da Universidade de Göttingen (1807), ampliou seu interesse pela resolução de problemas astronômicos. Seus cálculos a respeito da mecânica celeste resultaram no desenvolvimento de um novo método para a determinação da órbita dos asteróides. Publicou, então, Theoria motus corporum coelestium (1809), sobre seus métodos em astronomia. Desenvolveu o método dos mínimos quadrados (1812) que, aplicado na resolução das distribuições de probabilidade nos campos da mecânica, estatística e economia, e na abordagem da forma das superfícies curvas mediante expressões matemáticas, permitiu-lhe determinar pela primeira vez o tamanho e forma aproximados da Terra. Dotado de grande habilidade manual, construiu e aperfeiçoou instrumentos de medição da luz e das distâncias astronômicas. Criou a geometria diferencial (1818), tornando-se o pioneiro da geometria não-euclidiana (não sendo considerado seu inventor por não ter publicado suas idéias), permitindo a representação de equações com números complexos e dando início à análise vetorial. Também se dedicou à física, nos setores da óptica e do magnetismo e, juntamente com Wilhelm Eduard Weber produziu, a partir de estudos matemáticos, o primeiro telégrafo eletromagnético bem sucedido (1834) e o magnetômetro. Foi conselheiro científico (1821-1848), dos governos de Hanover e da Dinamarca, e desenvolveu minuciosos estudos de geodésia, que o levaram a examinar, em toda a sua generalidade, problemas relativos às superfícies curvas e à questão da representação conforme. Eleito fellow da Royal Society 1804, recebeu a  Copley Medal (1838) e morreu em Hanover, Alemanha e hoje é conhecido como o Príncipe dos Matemáticos.
A amplitude de suas contribuições para a matemática é extraordinária. Estas incluem resultados fundamentais na teoria dos números, equações diferenciais, séries infinitas, seções cônicas, integração numérica, funções hipergeométricas, geometria diferencial, geometria não-Euclidiana, álgebra linear e teoria potencial, descobertas matemáticas que influenciaram fortemente a astronomia, eletricidade, magnetismo, ótica e geodésia. Em probabilidade e estatística ficou famoso pelo desenvolvimento do método dos mínimos quadrados e pela descoberta da distribuição normal, agora também conhecida como a distribuição Gaussiniana, a conhecida lei de probabilidade, definida graficamente por meio da chamada curva de Gauss. Seu nome passou a ser utilizado para designar uma unidade de medida magnética, o Gauss, unidade c.g.s. de medida de indução magnética, igual a 10-4 teslas.

Figura copiada do site TURNBULL WWW SERVER:
http://www-history.mcs.st-andrews.ac.uk/