Clístenes de Atenas
 ( ~ 560 - 508 a. C.)
Estadista, filósofo, político e legislador grego nascido em Atenas, cujas reformas políticas contribuíram para despertar o sentimento de cidadania em contraposição à solidariedade dos membros do clã e assim considerado o fundador da democracia ateniense. Da família dos Alcmeônidas, conhecida por sua oposição à tirania, era neto de Clístenes de Sicião por parte materna. De uma época em que a aristocracia ansiava por reverter as reformas políticas impostas por Sólon. Depois da luta pelo poder que se seguiu à queda do tirano Hípias (510 a. C.), a assembléia popular de Atenas entregou-lhe o governo da cidade. Introduziu reformas democráticas baseadas na isonomia, princípio pelo qual todos os cidadãos tinham os mesmos direitos, independentemente da situação econômica e do clã ao qual estivessem filiados. Alterou a organização social, que de quatro tribos baseadas em laços de sangue, dividiu a população ateniense em dez, misturando homens de diferentes origens e condições. Cada uma delas era integrada por habitantes das três áreas, denominadas trítias, em que a cidade ficou dividida. As trítias, por sua vez, se subdividiam em demos, numa estrutura que pretendia diluir a influência local das famílias poderosas, abolir o caráter tribal da sociedade ateniense e imprimir-lhe características de cidade. Elevou para 500 os membros do Conselho de Sólon, com cinqüenta representantes de cada tribo, escolhidos pelos demos em número proporcional à população de cada um deles. Introduziu a execução dos condenados à morte por envenenamento com ingestão de cicuta e a  pena do ostracismo, cassação de direitos políticos daqueles que ameaçassem a democracia ateniense. Morreu em Atenas e, a partir de suas reformas, essa cidade converteu-se na maior potência econômica da Grécia (490-470 a. C.). Suas idéias inspiraram a definição de democracia seguida por reformadores de todos os tempos, ou seja, o princípio da igualdade é direito de todos e a participação ativa de todos os cidadãos na vida pública. Este brilhante idealista acreditou nos direitos iguais de todos os cidadãos, e como uma conseqüência teve muitos inimigos na oligarquia, mas aparentemente morreu de morte natural, em sua cidade natal.



Clístenes de Sícião  [ou Sicion]
( ~ 615 - 550 a. C.)
Tirano em Sícião e um dos líderes na Liga Afictióinica, criada para proteger o templo da deusa Deméter, em Antili, e também o templo do deus Apolo, em Delfos, dos ataques da cidade rival, Crisa. Os crisantos iniciaram uma série de ataques contra os peregrinos a Delfos, o que conduziu a uma guerra santa contra seu exército e este saiu vitorioso. Este feito levou a criação de novos jogos comemorativos, onde o próprio tirano ganhou uma corrida de carruagens (582 a. C.).