Bartolomeu Bueno da Silva, o Anhangüera
(1672 - 1740)
Bandeirante brasileiro nascido em Parnaíba, SP, memorável colonizador do Brasil central (Goiás). Herdou do pai o nome e também o apelido, Anhangüera, que significa diabo velho, por causa do episódio em que seu pai ateou fogo a um pouco de aguardente a fim de amedrontar os índios e obrigá-los a revelar o local de uma jazida. Com 12 anos passou a acompanhar o pai  nas expedições ao território goiano, mas com a descoberta de ouro em Minas Gerais, estabeleceu-se em Sabará e mais tarde em São João do Pará e Pitangui, onde foi nomeado assistente do distrito. Devido aos constantes voltou a Parnaíba para organizar uma bandeira para retornar a Goiás. Partiu de São Paulo (1722) e durante quase três anos explorou os sertões goianos em busca da lendária serra dos Martírios. Finalmente encontrou ouro no rio Vermelho. Nomeado capitão-mor das minas por D. João V (1726), fundou o arraial de Santana, depois Vila Boa de Goiás (1739), atualmente cidade de Goiás, mais conhecida como Goiás Velho. Acusado de sonegação de impostos (1733) começou a perder prestígio junto a coroa e sua autoridade foi  progressivamente sendo limitada pelos delegados do rei e, com a persistência das lutas internas e as suspeitas de contrabando levaram ao estabelecimento de uma ouvidoria e à criação da capitania de Goiás, morreu pobre e destituído de poder na vila de Goiás.