Arthur Stanley Eddington, Sir
(1882 - 1944)
  Matemático e astrofísico britânico, nascido em Kendal, Westmorland, precursor da aplicação da teoria da relatividade em pesquisas sobre evolução, estrutura, e movimento das estrelas e, por isso, considerado o pai da dinâmica estelar. Estudou no Owens College, de Manchester, e no Trinity College, de Cambridge, e foi assistente-chefe do Observatório de Greenwich (1906-1913). Substituto de Sir George Darwin na cadeira de astronomia de Cambridge (1913), foi nomeado diretor do observatório de Cambridge (1914), onde confirmou experimentalmente a relatividade geral de Albert Einstein com a observação de um eclipse solar (1918), tornando-se o primeiro divulgador da tese relativista em língua inglesa. Baseado nos postulados do dinamarquês Ejnar Hertzprung sobre uma relação entre a massa e a luminosidade das estrelas (1919) e em suas próprias investigações sobre o equilíbrio radioativo dos corpos celestes, estabeleceu uma relação teórica massa-luminosidade, de extraordinário relevo para o conhecimento das estrelas anãs, sobretudo as anãs brancas (1924). Morreu em Cambridge e em sua volumosa obra sobre astrofísica e filosofia da ciência, destacou-se o seu famoso livro The internal constituition of the stars (1926), onde formulou a hipótese segundo a qual a energia emitida como luz e calor, pela superfície das estrelas, era igualmente transmitida do seu interior em forma de radiação. Também mereceram notoriedade Space, Time and Gravitation (1920), The Mathematical Theory of Relativity (1923) e The Internal Constitution of Stars (1926).

Figura copiada da página THE PROJECT GUTENBERG EBOOK:
http://www.gutenberg.org/